13 de out de 2011

Voto de pobreza....


Lembro-me muito bem do dia em meu esposo fez a sua escolha com relação a ir para o         seminário, ele fez um voto de servir a Deus como pastor.
Ele não fez voto de pobreza, ele não foi para um mosteiro franciscano e no fui para um convento.
Não sei porque a igreja acha que missionário, seminarista e pastor tem que ser pobre ou tem que passar fome. Quando estão no seminário a SAF sempre se lembra deles, não sei o que passa na mente das nossas irmãs, pois elas sempre enviam para os seminaristas as mesmas coisa, e elas são: meia, cueca, gravata e sabonete lux, já imaginaram a figura do sujeito de meia, cueca e gravata, mais vai esta cheiroso.
O missionário não fica atrás, para ir para um campo missionário, o missionário tem em primeiro lugar levantar seu próprio sustento. A IPB não tem recursos para manter dignamente seus missionários. O missionário tem que provar sua vocação e sair mendigando sustento nas igrejas, porque a igreja não prioriza missões, ela só quer saber de ouvir as misérias vividas por estes homens.
Temos 12 meses no ano, 56 domingos no mínimo, mas só é dedicado a missões um mês do ano e somente neste mês se arrecada dinheiro para enviar para missões. Até parece que os missionários só comem e vestem no mês de agosto. Este evento não esta presente em todas igrejas       por que nem todos os pastores gostam de missões.
Conheço casos de pastores que vivem em missões sustentados pela IPB no nosso próprio pais com apenas um salário mínimo, enquanto pastores nos grandes centros acomodados com seus gordos salários sem nenhuma alma ganhar pra Cristo em um ano de trabalho. Até parece que Deus é diferente ou que há uma hierarquia dos santos, os santos pobres e os ricos.
Outro absurdo, é que as igrejas só dão valor aos missionários quando ele conta alguma desgraça que aconteceu com ele, se ele vier a igreja falando que durante seu trabalho Deus o abençoou e almas foram alcançadas, a igreja não vai ajudá-lo nem dar a devida atenção. Mas se o missionário começar falando de perseguição, falar que passou fome, frio ou outra desgraça qualquer a igreja ira aplaudi-lo de pé.
Este pensamento medíocre tem que acabar, não podemos continuar tratando os missionários como um ser descartável. Um missionário tem muito mais coragem e fé que qualquer pastor que esta tranqüilo e acomodado em sua igreja.
Da mesma maneira que não concordo com a mixaria que se paga aos missionários não concordo com altos salários pago aos pastores dos grandes centros, será que estes são melhores que os outros.
Já imaginaram se Jesus Cristo fosse valorizar JOÃO BATISTA baseado nas suas festes???  
Ainda bem que Deus sabe o que se passa em nossos corações, conhece nosso desejos e nos trata de acordo com nossas obras.


Nenhum comentário:

Postar um comentário